Postado em 09/06/2019

Garis retiram 191 toneladas de gigogas de praias da zona oeste do Rio

Planta se desenvolve em meio ambiente aquático contaminado.

Garis retiram 191 toneladas de gigogas de praias da zona oeste do Rio

A Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) recolheu 191 toneladas de gigogas coletadas nas praias da Barra da Tijuca e do Recreio, na zona oeste do Rio, desde a última segunda-feira (3) até este sábado (8). A informação foi dada neste domingo (9) pela companhia.

A Eichhornia crassipes, mais conhecida como gigoga, é um vegetal que se desenvolve no meio ambiente aquático contaminado. A planta é conhecida por despoluir as águas, já que suas raízes filtram a matéria orgânica. Como prolifera muito nas águas poluídas por despejo de esgotos domésticos, é preciso removê-la periodicamente para que não ocupe completamente a superfície da água.

Esta não é a primeira, nem será a última vez que um "mar" de gigogas toma as praias da zona oeste do Rio de Janeiro, disse o biólogo Mário Moscatelli em sua página no 'Facebook.

Segundo Moscatelli, se houvesse saneamento universalizado na região, a coleta de gigogas seria necessária somente de tempos em tempos, uma vez que se trata de vegetal nativo das lagoas de Marapendi e de Jacarepaguá, que escoa em direção ao mar durante a maré baixa. O problema é que as gigogas levam com elas toda sorte de detrito lançado nas lagoas, que acaba sendo depositado na areia, causando mais um risco para a saúde dos banhistas.

Neste domingo, também houve coleta de gigogas, de acordo com a assessoria de imprensa da da Comlurb, o volume recolhido foi bem reduzido, devido ao conserto das ecobarreiras pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea). As ecobarreiras instaladas nas lagoas não suportaram a quantidade de lixo que passa pelo local e acabaram rompendo.


Fonte: Agência Brasil