F11 Política

Política

Mercosul concluiu acordo comercial com países do Efta, diz Bolsonaro


O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (23), em uma postagem no Twitter, que foram concluídas as negociações de um acordo de livre comércio entre o Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) e o Efta, bloco de países europeus formado por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein, que tem Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos) de US$ 1,1 trilhão.



O anúncio ocorre menos de dois meses após o Mercosul concluir o maior acordo comercial de sua história, fechado com a União Europeia em junho. O acordo com o Efta era um dos que estava em negociação nos últimos anos. Outros acordos ainda em negociação envolvem o Canadá e a Coreia do Sul. Estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que o Brasil pode ser beneficiado com redução ou eliminação de tarifas de 39 diferentes produtos nas transações comerciais com o Efta.

Em nota, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) informou que o acordo será mais um passo importante para aumentar a inserção internacional tanto da indústria como da economia em geral. “O Brasil possui oportunidades em 541 grupos de produtos para exportação ao bloco europeu, em especial para a Suíça. Mais de 60% das exportações brasileiras para a economia desse mercado enfrentam tarifas”, destacou a entidade.

O acordo terá de ser votado pelos parlamentos dos países do Mercosul e do Efta para entrar em vigor. Segundo a CNI, existe um grande espaço para a expansão do comércio de serviços, principalmente nos setores de arrendamento e serviços de transporte marítimo. Em relação ao comércio de produtos, os principais bens beneficiados seriam carnes bovinas, preparações alimentícias, óleos de soja, autopeças, papel e cartão.

Fonte: Agência Brasil

Postado em 23/08/2019 18h31

Bolsonaro fará pronunciamento oficial sobre incêndios na Amazônia


O presidente Jair Bolsonaro decidiu convocar cadeia nacional de rádio e televisão, na noite desta sexta-feira (23), para anunciar medidas do governo federal para conter incêndios na Floresta Amazônica. A decisão do pronunciamento, que vai ao ar às 20h30, foi confirmada pela Secretaria Especial de Comunicação da Presidência (Secom), após reunião ministerial coordenada pelo presidente, durante a tarde, no Palácio do Planalto. Participaram da reunião os ministros Fernando Azevedo (Defesa), Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Ricardo Salles (Meio Ambiente), Jorge Antonio de Oliveira (Secretaria eral), além do secretário executivo da Casa Civil, de José Vicente Santini.

Pela manhã, Bolsonaro disse que o governo estuda enviar o Exército para combater as queimadas na Amazônia por meio de uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). Outra medida em curso é a contratação de brigadistas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), para atuação em prevenção e combate a incêndios em 18 estados declarados em emergência ambiental pelo Ministério do Meio Ambiente.

Para o presidente Jair Bolsonaro, existe atualmente uma "guerra de informações” e alguns países aproveitam o momento para potencializar as críticas ao Brasil a fim de tentar prejudicar o agronegócio.

Fonte: Agência Brasil

Postado em 23/08/2019 18h20

Bolsonaro vira alvo de protestos em defesa da Amazônia pelo mundo

Bolsonaro vira alvo de protestos em defesa da Amazônia pelo mundo

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) é o principal alvo de protestos em defesa da Amazônia que acontecem hoje em pelo menos 14 cidades da Europa, Ásia e América. Os manifestantes pedem que o mandatário brasileiro atue em defesa da floresta, que vem sofrendo um aumento no número de queimadas e de desmatamento. Alguns manifestantes pedem, ainda, a renúncia do presidente.

Convocados por movimentos como Extinction Rebellion e Fridays for Future, os protestos aconteceram em frente às Embaixadas do Brasil em Londres (Reino Unido), Paris (França), Madri (Espanha), Dublin (Irlanda), Berlim (Alemanha) e no Consulado Brasileiro em Genebra (Suíça), em Nápoles (Itália) e em Nova Iorque e Miami (Estados Unidos). Também há registro de protestos em em Mumbai (Índia), Amsterdã (Holanda), Barcelona (Espanha), Turim (Itália) e Cali (Colômbia). No Brasil, há protestos convocados para hoje e para o fim de semana em pelo menos 40 cidades. Leia mais

Postado em 23/08/2019 15h45

EUA citam 'profunda preocupação' com a situação da Amazônia

EUA citam 'profunda preocupação' com a situação da Amazônia

O governo americano está profundamente preocupado com os incêndios na Amazônia, disse nesta sexta-feira (23) uma autoridade da Casa Branca, conforme cresce a preocupação internacional com o número de queimadas na região neste ano.

O funcionário do governo afirmou que eles estão profundamente preocupados com o 'impacto dos incêndios na floresta amazônica sobre as comunidades, a biodiversidade e os recursos naturais da região'. Leia mais

Postado em 23/08/2019 15h08

Ministra defende punição para quem fizer queimada ilegal


A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, disse hoje (23) que as queimadas ocorrem durante todo o ano no Brasil e destacou que não se pode dizer que o agronegócio brasileiro é o “grande destruidor” da Amazônia em razão dos incêndios que ocorrem neste momento na região.

“As queimadas no Brasil, elas todo ano acontecem. Tem duas coisas diferentes: uma coisa é queimada, outra coisa é incêndio. Tem que se fazer uma diferença entre esses dois acontecimentos. Estamos vivendo uma seca grande. Todo ano a Região Norte do país tem uma definição clara dessa estiagem, às vezes a gente fica seis meses sem chuva. Este ano, está mais seco e as queimadas estão maiores”, afirmou a ministra, após participar da assinatura de um convênio com o Banco do Nordeste para financiar projetos de inovação.

Após ser perguntada se a repercussão internacional das queimadas na Floresta Amazônica preocupa o agronegócio, Tereza Cristina afirmou que é preciso punir quem estiver fazendo queimadas de forma ilegal. Segundo ela, o presidente Jair Bolsonaro deve anunciar hoje ações que serão efetivas no combate às queimadas.

“Não podemos dizer que, porque neste momento temos um incêndio acontecendo ou uma queimada acontecendo na Amazônia que o agronegócio brasileiro é o grande destruidor e, portanto, vão fazer barreiras comerciais contra esse agronegócio. Acho que está cedo. A gente tem que avaliar. Existe hoje uma preocupação do mundo com o meio ambiente. O Brasil não está fora dessa preocupação. E os produtores rurais também têm essa preocupação porque eles são os maiores prejudicados, principalmente aqueles que usam tecnologia”, disse a ministra.

“Está na hora de a gente fazer o papel de bombeiro aqui. E não colocar notícias mais alarmantes do que querem imputar ao nosso país e aos produtores brasileiros”, completou Tereza Cristina.

Convênio

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento firmou convênio com o Banco do Nordeste para financiar políticas públicas e privadas de inovação para desenvolvimento sustentável da agropecuária no bioma da Caatinga. A parceria permitirá a estruturação do Sistema de Inteligência, Gestão e Monitoramento Territorial Estratégico, que reunirá dados científicos da região.

A plataforma digital será desenvolvida pela Embrapa Territorial para organizar informações georreferenciadas e analíticas dos quadros natural, agrário, de infraestrutura e socioeconômico. Para cada uma das microrregiões prioritárias, serão indicadas soluções tecnológicas e não tecnológicas disponíveis para os principais desafios de inovação, em colaboração e compartilhamento com as unidades da Embrapa da região.

O Bando do Nordeste aplicará R$ 1,5 milhão para financiamento dos estudos por meio do Fundo de Desenvolvimento Econômico, Científico, Tecnológico e de Inovação (Fundeci).

Segundo a pasta, uma das principais políticas que serão subsidiadas pelo sistema é o Plano de Ação para o Nordeste (AgroNordeste), que será lançado em breve pelo governo federal. O plano visa a apoiar a organização das cadeias agropecuárias, ampliar e diversificar os canais de comercialização, além de aumentar a eficiência produtiva na região.

“É um programa robusto de assistência técnica para os pequenos produtores integrando várias cadeias produtivas do Nordeste para fazer com que esses produtores também tenham oportunidade de produzir e produzir cada vez melhor, ter renda, ter dignidade”, disse a ministra.

Fonte: Agência Brasil

Postado em 23/08/2019 14h54

França e Irlanda ameaçam rever acordo comercial entre Mercosul e União Europeia; Finlândia defende veto à carne Brasileira

França e Irlanda ameaçam rever acordo comercial entre Mercosul e União Europeia; Finlândia defende veto à carne Brasileira

As declarações do presidente brasileiro Jair Bolsonaro sobre a crise na Amazônia continuam tendo desdobramentos importantes na Europa nesta sexta-feira (23). O escritório do presidente francês Emmanuel Macron acusou Bolsonaro de mentir durante o encontro do G20 em Osaka, no Japão, ao minimizar as preocupações com o a mudança climática. Dado esse contexto, aponta o escritório, a França se opõe ao acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul.

Acordo entre Mercosul e União Europeia: o que prevê o texto
Macron não é o único a se opor ao acordo. O primeiro-ministro da Irlanda ameaçou votar contra se o Brasil não respeitar seus 'compromissos ambientais', em meio a críticas ao presidente Jair Bolsonaro pelos incêndios que assolam a Amazônia. Segundo o primeiro-ministro Leo Varadkar, 'De maneira alguma a Irlanda votará a favor do acordo de livre comércio UE-Mercosul se o Brasil não cumprir seus compromissos ambientais'. Leia mais

Postado em 23/08/2019 12h55

Governo estuda enviar Exército para combater queimadas na Amazônia


O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (23) que estuda enviar o Exército para combater as queimadas na Amazônia por meio de uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). Segundo ele, a decisão será tomada ainda nesta manhã. “É uma tendência [determinar uma GLO]. A tendência é essa, a gente fecha agora de manhã”, disse, ao deixar o Palácio da Alvorada.

De acordo com Bolsonaro, ontem (23) houve uma reunião para tratar do assunto. “O que tiver ao nosso alcance nós faremos. O problema é recurso”, ressaltou.

Em despacho publicado ontem em edição extra do Diário Oficial da União, o presidente determina que todos os ministérios, de acordo com suas competências, adotem “medidas necessárias ao levantamento e combate a focos de incêndio na região da Amazônia Legal para a preservação e a defesa da Floresta Amazônica, patrimônio nacional”.

Realizadas exclusivamente por ordem expressa da Presidência da República, as missões de GLO ocorrem nos casos em que há o esgotamento das forças tradicionais de segurança pública. Nessas ações, as Forças Armadas agem por tempo limitado, com o objetivo de preservar a ordem pública, a integridade da população e garantir o funcionamento regular das instituições.

Fonte: Agência Brasil

Postado em 23/08/2019 09h24

Mudança de tom de Bolsonaro sobre Moro causa 'perplexidade' em aliados do ministro

Mudança de tom de Bolsonaro sobre Moro causa 'perplexidade' em aliados do ministro

Aliados do ministro da Justiça, Sergio Moro, estão 'perplexos' com a mudança de tom em declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre o ministro.

Ainda em 2018, depois de eleito, Bolsonaro disse que Moro teria 'carta branca' para definir as equipes de órgãos da pasta e combater a corrupção.

O atual diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, por exemplo, nomeado por Moro, tem o apreço pessoal do ministro.

Mais cedo, nesta quinta-feira, contudo, Bolsonaro disse que quem escolhe o diretor-geral da PF é ele, e não Moro. Leia mais

Postado em 23/08/2019 01h47

Bolsonaro manda ministérios se mobilizarem para combater incêndios na Amazônia

Bolsonaro manda ministérios se mobilizarem para combater incêndios na Amazônia

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou ao blog nesta quinta-feira (22) que o governo estuda uma forma de agravar a pena para quem for identificado como autor de queimadas na Amazônia.

Onyx participou nesta quinta de uma reunião de emergência no Palácio do Planalto para discutir o tema.

No encontro, o presidente Jair Bolsonaro assinou um despacho mandando todos os ministérios se mobilizarem para identificar focos de incêndio na região da Amazônia Legal e encontrar soluções para o enfrentamento da questão.

Segundo o ministro da Casa Civil, a expectativa é que já nesta sexta (23) o governo anuncie as primeiras ações de enfrentamento das queimadas. Leia mais

Postado em 23/08/2019 01h25

Bolsonaro manda ministérios se mobilizarem para combater incêndios na Amazônia

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou ao blog nesta quinta-feira (22) que o governo estuda uma forma de agravar a pena para quem for identificado como autor de queimadas na Amazônia.

Onyx participou nesta quinta de uma reunião de emergência no Palácio do Planalto para discutir o tema.

No encontro, o presidente Jair Bolsonaro assinou um despacho mandando todos os ministérios se mobilizarem para identificar focos de incêndio na região da Amazônia Legal e encontrar soluções para o enfrentamento da questão.

Segundo o ministro da Casa Civil, a expectativa é que já nesta sexta (23) o governo anuncie as primeiras ações de enfrentamento das queimadas. Leia mais

Postado em 23/08/2019 01h24