Postado em 26/10/2020

JF: Museu Mariano Procópio dá início a obra de restauro e recomposição em chafariz da “Escola Agrícola”

O espaço localizado no jardim suspenso em frente ao prédio histórico é um dos cenários conhecidos pelo público, ladeado por bancos e alegorias.

JF: Museu Mariano Procópio dá início a obra de restauro e recomposição em chafariz da “Escola Agrícola”
Foto: Divulgação PJF

A Fundação Museu "Mariano Procópio" dá início nesta segunda-feira, 26, a mais uma obra de restauro na instituição. Através do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), com recursos depositados no Fundo Municipal de Apoio ao Museu “Mariano Procópio” (FAMAPRO) será feito o restauro no chafariz da “Escola Agrícola União e Industria”, juntamente com a recomposição de sua bacia (lâmina d`Água). O espaço localizado no jardim suspenso em frente ao prédio histórico é um dos cenários conhecidos pelo público, ladeado por bancos e alegorias.

"A nova obra atende a uma demanda de reintegração do espaço, que atrai o público que visita o museu. A área voltará a sua originalidade com a bacia d`água junto ao chafariz, cenário de destaque em postais da cidade", ressalta o prefeito, Antônio Almas. Além desta iniciativa, o chefe do executivo acompanhou a recente obra de restauro na Villa Ferreira Lage, que possibilitou a reabertura do prédio histórico em janeiro deste ano. A instituição teve, ainda, itens de seu acervo restaurados, como quadros e louças do século 19.

A licitação ocorreu em janeiro deste ano, e teve como vencedora do processo a empresa mineira, Cantaria Conservação e Restauração Ltda. A obra está orçada em cerca de R$ 76 mil. O chafariz que pertencia à Escola Agrícola União e Indústria, fundada por Mariano Procópio e inaugurada por Dom Pedro II em 1869, foi trazido para o parque do museu por Geralda Armond, enquanto diretora da instituição.

Em 2019, a área que estava fechada ao público, voltou a integrar o circuito de visitação. O espaço foi revitalizado, com jardinagem e instalação de quatro bancos. O chafariz foi remontado, mas na ocasião sem a lâmina d`água. O adorno é de origem francesa e foi produzido pela Val d`Osne, a mesma fabricante do repuxo de “Tritão”, localizado em frente ao castelinho dos Ferreira Lage. A peça do jardim possui figuras alegóricas referentes à agricultura, com figuras de crianças na base.

Confira o podcast sobre o assunto com entrevista do diretor do Museu, Antônio Carlos Duarte, através do site pjf.mg.gov.br/secretarias/secom/podcast/index.php ou pelo aplicativo/site de streaming Spotify.


Fonte: PJF
 
Foto: Divulgação PJF