Postado em 14/07/2019

Área preservada na Baía de Guanabara é chamada de Pantanal Fluminense

Pescadores e ambientalistas recuperam áreas devastadas na região.

Área preservada na Baía de Guanabara é chamada de Pantanal Fluminense

A Baía de Guanabara não é só degradação. Há uma parte no seu recôncavo leste, onde a falta de conservação ambiental passa bem longe e o meio ambiente é tratado com respeito. É ali, nos 14 mil hectares da primeira unidade de conservação criada para proteger manguezal, que fica a Área de Proteção Ambiental (APA) de Guapimirim, na região metropolitana do Rio. Lá atuam de forma integrada a Estação Ecológica Guanabara e as duas unidades do Instituto Chico Mendes do Ministério do Meio Ambiente, onde diversas atividades transformaram o cenário do local chamado por ambientalistas de Pantanal Fluminense.



A ONG Guardiões do Mar, pescadores e especialistas atuam na região com o desenvolvimento de projetos que renovaram a vida em áreas que sofreram devastação, no recôncavo leste da Baía de Guanabara, alcançando parte dos municípios de Magé, de Guapimirim, de Itaboraí e de São Gonçalo. Um deles é o Projeto Uçá, que leva o nome de um caranguejo da região visto junto a outras dez espécies e mantém o sustento de pescadores. O projeto, que completou sete anos nesta sexta-feira (12) é desenvolvido pela ONG com o patrocínio do Programa Petrobras Socioambiental, em 182 mil metros quadrados restaurados.

“Mangue, sempre tem o inconsciente coletivo que acha que é sujo, malcheiroso, lamoso e cheio de mosquito. Não, é berçário da vida. Não é lixeira”, apontou o biólogo Pedro Belga, presidente da Guardiões do Mar.

Plantio



Entre setembro de 2018 e abril de 2019 foram plantadas 10.250 mudas. Em quatro anos somam 56 mil. “Os manguezais ocupam só 1% de toda a área coberta por florestas do planeta Terra. Quando a gente planta uma muda aqui, a gente está plantando uma muda para o planeta, porque o serviço que o manguezal presta é absurdamente grande. 60% das espécies marinhas dependem do mangue. São 1 bilhão de pessoas que consomem proteínas todo dia, que em algum momento precisam do manguezal. Eles protegem a costa, são filtros biológicos. O trabalho que é feito na Baía de Guanabara é para o planeta”, disse Belga.

A recuperação dos manguezais é apenas um dos resultados conseguidos com este trabalho incessante. Em 21 anos de existência, a Guardiões do Mar promoveu ações socioambientais, como a criação de cooperativas de reciclagem, de pesca responsável e de moda. Outro projeto da Guardiões é o EDUC, com ações consorciadas de gestão comunitária de resíduos sólidos, em cinco comunidades no entorno da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), na Baixada Fluminense. A ONG construiu galpões, considerados referências no estado do Rio, para a triagem, a estocagem e a comercialização de resíduos sólidos. “Não é só plantar, é conservar, preparar a comunidade e fazer educação ambiental”, pontuou o biológo.

Turismo comunitário

Na busca por outras fontes de renda para a população do entorno da APA para desenvolver o turismo comunitário, foi preciso qualificar pescadores que se formaram em marinheiros auxiliares. São 27 pessoas aptas para o serviço. “A Capitania dos Portos fez, na mesma época, um curso nacional para 30 pessoas e nós aqui na Baía de Guanabara fizemos para 27. Às vezes falar em 27, parece pouquinho, mas é quase o mesmo do nacional. Foi feito para o pescador artesanal se qualificar e dar uma força para o projeto de turismo comunitário”, indicou o presidente da Cooperativa Manguezal Fluminense, o pescador Adaildo Malafaia.

Passeio



O local é muito procurado por turistas que querem fazer passeios de barcos realizados pela cooperativa. O ponto de partida é a APA. A reportagem da Agência Brasil teve oportunidade de percorrer de barco 11 quilômetros de rio desde a APA até a foz da Baía de Guanabara e depois seguir pela área mais aberta onde se via a Ilha de Paquetá, as montanhas da região serrana do Rio e a capital até voltar à APA.

Nesse trajeto, passa-se na calha onde estão os rios Guapimirim, Guapiaçu e o Guapi-Macacu, que é o mais limpo dos 35 rios que deságuam na Baía de Guanabara e sozinho é responsável por quase 40% de água com qualidade que abastece a baía. “Esse rio aqui é responsável por toda essa qualidade de vida. A gente brinca que é arca de Noé da Baía de Guanabara”, observou Adaildo Malafaia.

O passeio seguiu ainda pela área reflorestada Capinzal de 9 hectares. Lá, as mudas de 50 cm plantadas, hoje, são árvores de seis metros. Viu, ainda, a margem repleta de filhotes de caranguejo e passou no Canal da Banana onde, no passado, olarias exploravam a madeira do local para usar em seus fornos e, com isso, promoveram a destruição da vegetação. Agora, já recuperada, a extensão toda recebe, novamente, entre outras aves, colhereiros rosa que parecem fazer um balé no ar, o martim pescador e a garça moura.



Pelo caminho, percebe-se a beleza de um bando de biguás, que sobrevoa o espelho d’água. Alguns, aproveitam também para se banhar. Em breve, outra espécie também voltará a ser vista em maior quantidade no local. Os guarás vermelhos que estão começando a ser reintroduzidos no seu habitat. Momentos de pura natureza que só enchem de energia os que têm condições de admirar tudo isso.

“É um espetáculo”, disse o biólogo, que não se cansa de assistir o movimento das aves.



Trilhas

Pedro Belga revelou que já existem sete trilhas mapeadas para os passeios, e quatro delas terão a instalação de placas para os condutores pararem e poderem contar a história daquele local aos visitantes que acompanharão também por guias impressos. A previsão é fazer o lançamento no aniversário de 35 anos da APA de Guapmirim, no dia 25 de setembro.

Renda



A analista ambiental do ICMBio, Juliana Cristina Fukuda, que trabalha na APA, disse que a recuperação ambiental tenta mudar um pouco também a lógica de países em desenvolvimento de que as pessoas mais próximas às grandes áreas protegidas têm menos oportunidades de educação e emprego. Para ela, o turismo de base comunitária desenvolvido na região é uma das formas dessa população encontrar um jeito de subsistência. “Serem empreendedores também aproveitando a natureza e entender a importância dessas áreas naturais. Tem pessoas hoje que trabalham com boa parte da sua renda, através do turismo, conduzindo visitantes”, disse.

Juliana conta que outras formas para a geração de renda, já estão em andamento. Uma é por meio da gastronomia local, mas tem ainda a hospedagem, a confecção de lembranças turísticas e a condução de visitantes a pé ou por caiaques. As ações estão sendo feitas ainda de forma experimental. “O interesse é crescente. Cada vez mais as pessoas querem ver. As pessoas olham e não acreditam que é possível ter este tipo de ambiente na região metropolitana do Rio e em uma área tão extensa”, contou.

A rede que vai se chamar Manguezais Guanabara envolve também moradores do Quilombo do Feital, agricultores familiares que recebem visitas e produtores de mel que trabalham no apiário do manguezal. “O mel do manguezal é totalmente sem agrotóxicos e feito por famílias de pescadores”, destacou.

O pescador Malafaia disse que nesses anos de trabalho descobriu que é apaixonado por este ecossistema. “Isso foi muito importante. Descobri que sabia [tinha conhecimento] de um monte de coisa que faço hoje. Sou uma outra pessoa depois que comecei a participar desses projetos como cidadão. Foram muito importantes as parcerias, as amizades, a felicidade de fazer coisas interessantes não só para a APA Guapi- Mirim. Hoje aqui vamos na contramão do planeta. [Aqui] a gente restaura”, afirmou Malafaia.


Fonte: Agência Brasil

Concursos

País tem quase 17 mil vagas abertas em 150 concursos públicos


Pelo menos 150 órgãos estão com inscrições abertas em todo o país para preencher quase 17 mil vagas. Há oportunidades para todos os níveis de escolaridade. Nesta segunda-feira (25), 11 órgãos abriram inscrições. O maior concurso é o da prefeitura de Potim, em São Paulo. São oferecidas 127 vagas. Veja a lista completa de concursos

Secretário escolar – PJF divulga lista de convocados para contratação


A Prefeitura de Juiz de Fora divulgou, nesta quinta-feira (7), a primeira lista de convocação dos candidatos aprovados no processo seletivo para contratação de Secretário escolar, para atuar na rede municipal.

SDS, Senai e Senac promovem cursos gratuitos


A Secretaria de Desenvolvimento Social, em parceria com o Senac e o Senai, está disponibilizando cursos gratuitos.

22 concursos abrem inscrições nesta semana; veja lista


Ao menos 22 concursos públicos abrem inscrições para preencher mais de 9,8 mil vagas. Há oportunidades para profissionais de todos os níveis de escolaridade, em dez estados. Além das vagas abertas, há concursos para formação de cadastro de reserva – ou seja, os candidatos aprovados são chamados conforme a abertura de postos durante a validade do concurso.

Concursos: 208 seleções estão abertas para preencher mais de 20,7 mil vagas


208 concursos públicos estão com inscrições abertas para preencher mais de 20,7 mil vagas, com oportunidades para profissionais de todos os níveis de escolaridade e em diversos estados. Além das vagas abertas, há concursos para formação de cadastro de reserva – ou seja, os candidatos aprovados são chamados conforme a abertura de vagas durante a validade do concurso. CONFIRA AQUI A LISTA COMPLETA DE CONCURSOS E OPORTUNIDADES