Postado em 11/04/2019

Cade condena BR Distribuidora e Ipiranga por ajudarem cartel de postos em MG

O processo foi aberto em abril de 2010 para apurar uma possível formação de cartel entre 2006 e 2008.

Cade condena BR Distribuidora e Ipiranga por ajudarem cartel de postos em MG

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou nesta quarta-feira (10) a Ipiranga e a BR Distribuidora por induzir postos a uniformizar os preços de combustíveis nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Contagem e Betim, em Minas Gerais. O processo foi aberto em abril de 2010 para apurar uma possível formação de cartel entre 2006 e 2008. Ao concluir o procedimento, o Cade condenou as duas empresas por indução a conduta uniforme de preços, uma infração contra a ordem econômica. As duas empresas terão que pagar multas de R$ 40.693.867,35 e 64.445.861,88, respectivamente.

Em nota, a BR distribuidora afirmou que vai recorrer da condenação. "Uma vez absolvida da acusação de formação de cartel de postos de combustíveis em Belo Horizonte e cidades de Minas Gerais, a Petrobras Distribuidora agora irá recorrer da condenação por influenciar no segmento da revenda, acusação incompatível com atuação da BR, que é pautada pelas melhores práticas comerciais, concorrenciais, a ética e o respeito ao consumidor, exigindo o mesmo comportamento de seus parceiros."

Também por meio de nota, a Ipiranga informou que está convicta sobre a regularidade de sua conduta ao longo do processo e informou que vai seguir se defendendo em todas as instâncias. "A Ipiranga continuará a exercer sua defesa em todas as instâncias e reitera seu compromisso com as melhores práticas concorrenciais e de respeito ao consumidor.”

Caso

O julgamento teve início em outubro do ano passado. Além da Ipiranga e BR Distribuidora, também foram investigadas as distribuidoras Alesat Combustíveis, postos Ale, e Raízen Combustíveis, denominação atual da Shell, juntamente com 55 postos de combustíveis e 24 pessoas físicas. Na ocasião, o Ministério Público Federal (MPF) pediu a condenação da Ipiranga, BR Distribuidora e Raízen.

A Alesat foi excluída do processo após firmar um Termo de Cessão de Conduta e pagamento de multa. A empresa foi multada em R$ 48,6 milhões a título de contribuição pecuniária. A distribuidora assumiu ainda os compromissos de cessar as práticas lesivas à concorrência e de cooperar com as investigações que estavam em curso no Cade.

Em janeiro, o relator do caso, João Paulo Rezende, havia pedido a condenação da BR Distribuidora por formação de cartel, por entender que a empresa havia feito conluio com a Alesat para combinação de preços. Rezende pediu ainda a condenação da Ipiranga e Raízen por indução à conduta uniforme. A sessão terminou com um pedido de vistas da conselheira Pollyanna Vilanova.

Depois de ter pedido vistas do processo, a conselheira Polyanna defendeu, nesta quarta-feira, em seu voto, que não houve formação de cartel, mas atuação para forçar a uniformização de preços. Com isso as duas distribuidoras foram condenadas por indução a conduta comercial uniforme. A conselheira entendeu ainda que não havia provas de atuação irregular contra a distribuidora Raízen. O entendimento foi acatado pela maioria dos conselheiros.

O Cade condenou ainda cerca de 30 postos de combustíveis investigados. O conselho já havia firmado, em 2017, cinco acordos pelo qual o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Minaspetro) e dez postos de combustíveis pagaram juntos cerca de R$ 13 milhões em multas.



Fonte: Agência Brasil

Concursos

Novos editais de seleção para professores substitutos da UFJF são divulgados


As vagas são destinadas aos Departamentos de Construção Civil, de Política e Ação do Serviço Social e de Letras, do campus Juiz de Fora; e ao Departamento de Ciências Naturais, do Colégio de Aplicação João XXIII.

UFJF abre seleção para cinco professores substitutos


Vagas são para faculdades de Medicina, Arquitetura, e Administração, e para Instituto de Ciências Humanas e Colégio João XXIII, todos em Juiz de Fora.

País tem 14,5 mil vagas abertas em 190 concursos públicos


Pelo menos 190 concursos públicos no país estão com inscrições abertas nesta seguda-feira (1º) para preencher quase 14,5 mil vagas. Há oportunidades para todos os níveis de escolaridade.

Mais de 160 concursos estão com inscrições abertas para preencher 14 mil vagas


168 concursos que estão com inscrições abertas nesta segunda-feira (17) reúnem mais de 14 mil vagas, para profissionais de todos os níveis de escolaridade. As oportunidades são para trabalhar em diversos estados pelo país. Além das vagas abertas, há concursos para formação de cadastro de reserva – ou seja, os candidatos aprovados são chamados conforme a abertura de vagas durante a validade do concurso. Somente na Prefeitura de São Paulo (SP), um concurso com 1.737 vagas tem postos para pessoas com nível médio e superior de escolaridade.

UFJF abre concurso para técnico-administrativos em educação


São 21 vagas para os campi de Juiz de Fora e Governador Valadares.