O número de doses de antibióticos consumidas no Brasil está entre os maiores do mundo, superando a média da Europa, Canadá e Japão. Os dados estão no relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado no último dia 12, que alerta para as consequências do uso indiscriminado desse tipo de medicamento. A principal preocupação da agência é que o consumo indevido favoreça o surgimento de bactérias multirresistentes, causadoras de infecções difíceis de curar.

O levantamento da OMS incluiu os dados de 65 países, onde as estatísticas são coletadas de forma rigorosa. O indicador utilizado foi o número de doses diárias (DD) consumidas para cada 1 mil habitantes. No Brasil, o índice ficou em 22DD para cada 1 mil habitantes, o que coloca o país como o 17º maior consumidor do remédio entre as 65 nações pesquisadas. Na Europa, a média é de 18 doses, enquanto no Canadá e no Japão, o índice medido foi de 17 e 14DD, respectivamente. O relatório mostra grande variação do consumo do medicamento entre os países. O índice variou de quatro, no Burundi (África), a 64DD, na Mongólia (Ásia). Leia Mais

Postado em 20/11/2018

Relatório americano inédito prova que ondas de celulares causam câncer em ratos Com a popularização dos smartphones, os celulares invadiram nosso cotidiano. A previsão é de que, até o final de 2018, 4,9 bilhões de humanos estejam conectados à internet móvel, que surgiu em 1997. Em 2014, os chamados mobinautas ultrapassaram oficialmente o número de internautas que acessam a rede de um computador fixo.

A internet móvel utiliza a radiofrequência para a conexão, que acontece porque nossos celulares emitem ondas eletromagnéticas. O perigo potencial que elas representam para a saúde interessa a ciência há vários anos. Leia Mais

Postado em 20/11/2018