Um grande estudo publicado nesta semana que mostrou que os maiores consumidores de alimentos orgânicos na França desenvolveram menos câncer do que aqueles que nunca os comeram ilustra a dificuldade de estabelecer uma relação de causa e efeito entre alimentação e saúde. É impossível provar categoricamente no laboratório que este ou aquele alimento reduz o risco de uma doença tão complexa como o câncer. Os pesquisadores precisam acompanhar um grande número de pessoas durante um tempo e observar quais delas desenvolveram o câncer, com a esperança de documentar a posteriori um comportamento específico das que ficaram doentes.

Milhares de estudos sobre dieta e diversas enfermidades foram feitos durante décadas. Inclusive, os maiores às vezes são questionados, como o famoso trabalho que mostrou em 2013 os efeitos benéficos da dieta mediterrânea contra as doenças cardíacas e que este ano foi retirado de uma prestigiada revista médica por causa de problemas metodológicos. Sobre os alimentos orgânicos, somente um grande estudo havia avaliado previamente seu efeito sobre o câncer, o Million Women Study, com 600 mil mulheres britânicas, em 2014. Este estudo encontrou diferenças entre os consumidores e os não consumidores de orgânico quanto ao risco geral de câncer, mas observou um risco reduzido para um câncer em particular: o linfoma não Hodgkin. Leia Mais
Postado em 28/10/2018

Relógio biológico: 12 pontos para entender como ele afeta a sua vida Você sabia que o 'relógio biológico' não é exclusividade dos seres humanos?

Aparentemente todos os seres vivos – incluindo pequenos fungos e bactérias – têm um ciclo circadiano: processo biológico que leva cerca de 24 horas e marca o ritmo da nossa existência.

Mas você sabe o que é isso e como te afeta? Leia Mais

Postado em 28/10/2018